June 18, 2007

acreditem-me, a Cosmopolitan é uma grande revista



A segunda das 12 Regras de Sobrevivência Cosmogirl:

"Como usar uma casa de banho pública
Sem apanhar germes que ponham em causa o seu bem-estar, óbvio [eu aqui admito que não sou muito Cosmogirl porque o saber da existência de germes não põe em causa apenas o meu bem-estar, mas a sanidade mental]. Dificilmente contrairá alguma infecção sexualmente transmissível na casa de banho de um café ou restaurante [também concordo que há sítios mais confortáveis para as contrair]. Mas nesses locais pululam germes e bactérias, por isso todos os cuidados são poucos [não vai parecer, mas até são, como veremos mais à frente]. Para não correr riscos desnecessários [há riscos necessários numa casa de banho pública?], adopte algumas estratégias.

Sempre que tiver à escolha várias casas de banho, escolha a primeira, pois as pessoas tendem a usar a última ou as do meio [é impossível comprovarem cientificamente esta observação, mas eu acho bem que dêm este conselho porque se toda a gente for à primeira, eu posso escolher uma das outras]. Depois cubra o assento da sanita com papel higiénico, para evitar um contacto directo com o corpo [ok, concordo, mas não por essa razão, é pela outra lá em baixo; aqui a questão que releva é: como entra o corpo em contacto com a sanita e porquê?]. Agora já pode estar à vontade [quem quer estar à vontade no wc público?], mas ao puxar o autoclismo afaste-se da sanita [ora aqui está, é por isto que lá deve estar o papel higiénico, para não salpicar, não para sentar, sentar nunca]. O jacto de água libertará partículas fecais, o que permitirá a sua circulação pelo ar [e agora a parte verdadeiramente má e que mudou a minha cosmovisão do mundo]. E como podem subir até aos SEIS METROS [!!!!], não convém que você as respire [Jesus! parece um filme de terror! será que eu já respirei partículas fecais de outras pessoas, esses monstros de SEIS METROS?]. Atenção ao lavar das mãos, pois as torneiras estão recheadas de micróbios [lá está, eu odeio torneiras de casas de banho públicas]. Para as abrir ou fechar, use toalhetes ou papel higiénico. Para as secar [as mãos, suponho, mas o texto não é claro e as Cosmogilrs podem ter de secar as torneiras da casa de banho], recorra aos toalhetes. Se preferir o secador, não lhe toque com mas mãos."

Ora o que é que falta aqui? Que pormenor importante estão a esquecer-se neste duro processo de formação das Cosmogirls? É óbvio: a porta da casa de banho. Esse antro pode não ter germes e bactérias de seis metros, mas terá, certamente, de algum peso. Nunca mexer nas maçanetas, Cosmogirls! Afastem-se das maçanetas. E mais?... Se se mexer na maçaneta porque o idiota que concebeu a porta o fez de maneira a ter sempre de se passar por essa provação? Lavar as mãozinhas antes do xixi.

E o conselho mais importante, Cosmogirls? A par das estratégias, adoptar dois ou três toalhetes, mal se entre na casa de banho para não tocar em absolutamente nada.

(Comigo a Cosmopolitan vendia que nem gelo no deserto. É uma das minhas fantasias profissionais, trabalhar numa revista destas, portanto fica aqui a oportunidade para porem as propostas na mesa.)

(Legenda: entre aspas, os itálicos entre parêntesis rectos e o caps no SEIS METROS das partículas fecais são meus)


12 comments:

João Lisboa said...

Um dia destes, tenho de te contar uma coisa...

menina-alice said...

Agora vais ter mesmo de contar! Não se atiça a curiosidade de uma Cosmogirl impunemente!

anarresti said...

:-D
um reparo: as partículas não podem ter até 6 metros... podem, ao ficar em suspensão, subir até aos 6 metros. o que acontece [a minha visão do mundo também mudou drasticamente ao ver um documentário no canal História] é que ao cair a água do autoclismo na água da sanita, minúsculas gotas de água ficam em suspensão. e essas gotas transportam o que houver na água da sanita [partículas indesejadas incluídas]. a experiência que vi usava um corante azul e depois de se puxar o autoclismo ficava uma nuvem azul enorme na casa de banho. por isso deve sempre puxar-se o autoclismo com a tampa fechada. e as pessoas que têm a ideia que é muito higiénico puxar o autoclismo antes de usarem a sanita é bom que percebam que é exactamente ao contrario.
[clico em publish ou não, agora que discorri alegremente sobre sanitas e autoclismos?... ai a imagem que ficará colada a mim... olha que se lixe, clico]

lia said...

Já me estou a coçar...

Não me bastavam os episódios do House para me meter ideias estranhas e patológicas na cabeça! :D

alex said...

aaaarrghhh! :/

menina-alice said...

anarresti! Bem-vinda! :D Núvem azul?... >:>

anarresti said...

:-D
não é que me incomode particularmente ser confundido ocasionalmente por uma mulher (neste meio, se na rua me confundirem, sou eu que começo a ficar confuso, lol). mas compreendo, anarresti começa em "Ana" e acaba em "i". o que não ajuda muito. mas é um nome sem género, uma nacionalidade (retirada de um livro muito querido]. eu sou um mocinho. obrigado pelas boas vindas. [é... a imagem da nuvem azul ficou-me na cabeça, vê-se cada coisa nos documentários do canal História :-O ]

menina-alice said...

Oooops! Desculpa. Peço desculpa?... :S E andei a espreitar-te e tudo. [sai pelo lado, com um ar embaraçado]

mio said...

Ui ui! Então e os terminais de multibanco nos cafés e restaurantes? Segundo consta, a par com os teclados de pc, são os objectos de uso corrente com mais germes :O

N. said...

ó mio, então e moedas e notas?...

mio said...

Mas o guito já toda a gente sabe que tem germes e não há nada a fazer, ou até há - pagar com o nosso cartãozito que ao menos sabemos sempre onde anda e podemos polir de vez em quando. Só que depois temos os terminais ATM cheios de germes. Que desagradável! :o

dolphin.s said...

quer dizer, desde que se saiba, podemos chupar os germes dos dedos. não sabendo équé melhor termos medo, muito medo >:>