December 12, 2007

ler para querer

Com tanto banco a abrir em cada esquina, agravada essa praga pelas promessas falsas de não fechar nenhum balcão sempre que decidem unir-se de direito para serem de facto ainda mais ricos, ainda mais fortes, ainda melhores. Depois da via sacra da Ler Devagar e da Eterno Retorno, agora em conforto provisório (que se espera como o provisório que vigora em Portugal) na Braço de Prata. Habituados que vamos estando a ver as mesmas livrarias clonadas centro comercial após centro comercial, sempre resplandecentes de novidades e últimas edições, confesso que alimento, receosa, alguma expectativa.


[sub-título: das coisas que o excesso de trabalho nos faz passar ao lado]

1 comment:

Carla said...

O design gráfico é da minha amiga Sara

E a livraria é um mimo, um oásis.

Beijos!