February 05, 2008

despojos


Ele andara com a carteira no bolso até esta lhe fazer nas calças um buraco com a forma do respectivo contorno. Então, certo dia, sentou-se junto à berma da estrada e pegou na carteira e passou o conteúdo em revista. Dinheiro, cartões de crédito. A carta de condução. Uma fotografia de mulher. Alinhou tudo lado a lado no asfalto, como se fossem cartas de jogar. Atirou o pedaço de couro enegracido pelo suor para o meio da floresta e ficou sentado a segurar na fotografia. Depois pousou-a também na estrada e depois levantou-se e prosseguiram.


A Estrada, Cormac McCarthy

6 comments:

Scarlata said...

Muito bonito.

Ana Cristina Leonardo said...

talvez o melhor dele

Espaço do João said...

Não faço a menor ideia de quem possa fazer uma coisa dessas. J.S.

menina-alice said...

Fiquei a pensar neste comentário, Cristina, por isso espero que cá voltes. O melhor em que sentido?

margarete said...

ainda não cheguei aqui, mas agora faz (mais) sentido este excerto

há coisa que só compreendo se me fizerem um desenho... :S

p.s. estou com uma estranha e incomodativa sensação de saber o livro todo (cheguei até cerca da pág 40); costumo ser muito paciente, mm qdo trago um livro num dia só, mas agora estou inquieta... weird

menina-alice said...

Ah! Começaste logo a ler...