May 29, 2007

Molloy, Samuel Beckett (4)

Eis o que me acontece normalmente quando estou emaranhado em confabulações. Julgo, sinceramente, responder às perguntas que me colocam e, na realidade, não é assim.

4 comments:

Paulo said...

Esse tal Molloy bateu-me como poucas coisas me bateram, desde que me lembro de ter pernas, braços, cerebelo e capacidade de angústia. Enjoy. Há vida nos desertos mais inóspitos.

alex said...

estás a aguçar-me o apetite para o beckett, estás.

jm said...

"não é assim" mas quem recebe a resposta acredita em ti!

ó, glorioso Beckett! a tua incerteza em vez das certezas mesquinhas da humanidade!

menina-alice said...

:) Olha que as minhas respostas, numa primeira análise, podem tornar-se algo descontextualizadas.

Abalança-te, alex. Leste o Paulo aí em cima e tudo. ;)