February 27, 2008

deambulatório

Ficamos prisioneiros da nossa intolerância. Deve ser dessa massa dura que se faz o lado triste do enfim sós.

4 comments:

margarete said...

hm... pode ser, e é.
Mas tb me parece que é fácil usar um rótulo em cima de nós pp... como se fora mais fácil lidar com a culpa da intolerância do que com as puras e tristes constatações de que o 'enfim sós' por vezes não tinha outro caminho.
digo eu.
sei lá.
e tal.

N. said...

não sei do que falas, mas ao ler-te, assomou-me de pronto que me considero uma pessoa tolerante e ainda assim, e tb, a massa dura que faz o lado feliz do enfim sós.
(desculpa, sem saber do que falas, sei que não é nada disto que afirmo)

Ana Cristina Leonardo said...

pois... depende

menina-alice said...

Utilizei mal a "intolerância", mais facilmente associada a sentimentos colectivos e sociais que a movimentos mais internos de nós. Acho que serei mais clara se falar de intransigência ou de rigidez. Falo pois mais de sentimentos que de cercear liberdades.