February 20, 2008

'tá tão quilhada a gata deste blog!

Dona Noémia está oficialmente de castigo e de regresso ao período de tirocínio. Certamente abstraída da sua qualidade de mera inquilina (pro bono, ainda por cima), ou então padecendo de graves dificuldades de aprendizagem, ou então ainda, de tendências suícidas, ontem resolveu simular um corte na barba de 3 dias do meu amigo Jorge e atirar-lhe os óculos para a casa do diabo mais velho (que, na minha casa, se situa entre a mesa de café e as estantes da ficção), todo este espectáculo acompanhado de um guinchinho idiota a fazer lembrar os gatos dos desenhos animados. Não satisfeita com o estrago e depois de algumas horas de exílio auto-imposto debaixo da cama, regressou, titubeante a princípio, mas logo depois mais relaxada, às áreas de convívio do lar.

Esta que ora se subscreve, numa atitude eivada dos mais puros e sinceros sentimentos de tolerância e boa-vontade, segura o maléfico animal em seus braços, acarinhando-o, numa tentativa de a sossegar e de espalhar o amor.

A velhaca, ao ser objecto da atenção do humano anteriormente agredido, recomeça a assanhar-se e a emitir sons estranhos e agressivos e foi por uma unha negra (no caso até foi por uma unha cortada, como deve estar sempre) que não me arranhou na cara, no movimento furioso que fez para se libertar dos meus braços. Esteve a um passinho de ser vítima de um homicídio privilegiado pela legítima defesa e está sob vigilância mais apertada que o Presidente dos EUA em visita aos territórios ocupados do Médio-Oriente.

13 comments:

margarete said...

:S

...depois o manji é que mete respeito! :P

Pedro said...
This comment has been removed by the author.
Pedro said...

LOL

Coitada da bichana >:>

martalx said...

:O
alice, toda a minha solidariedade goes out to you. como sabes, ainda há bem pouco tempo, tive episódios de violência malsã em minha casa, quando pai gattuso se virou contró seu próprio filho. o vaquinha esteve exilado quase dois meses em casa dos avós e apartado desta que tão bem lhe quer. não sou, como tu (ainda tenho tanto que aprender contigo...) adepta do castigo, mas os meus olhos não raro chispavam de fúria sempre que fitava o meu mai'velho. deve ter dado resultado, pois agora a harmonia voltou a reinar (o psicotrópico felino e a castração também devem ter ajudado, imagino).

alex said...

hm, não aconteceu nada que a pudesse ter assustado? é estranho que o comportamento se tenha repetido. (ou então foi ciumeira...d.diogo estava presente?)

João Lisboa said...

... de castigo... o que é que lhe fizeste? vai para a cama sem ver a televisão? fica uma semana sem ir para a rua jogar à bola com os amigos? cortas-lhe a semanada?...

margarete said...

LOL!

esqueceste: fica sem net?

dolphin.s said...

apenas um aviso para o gajo que leva sempre o inquilino lá para casa.
qualquer gaja devia compreender isso >:>

pennac said...

"quem tem gatilhos, tem cadilhos" :|

menina-alice said...

Eu não sou adepta do castigo, Martita das alfaces, até porque dá trabalho engendrar os castigos e porque já tenho um filho para dar largas à imaginação, mas que a gaja anda a pedir umas chineladas, anda. É que refila, não sei se estás a ver! Vou dar-lhe uns dias, agora que o Diogo foi embora - estou contigo, alex, que foram ciúmes porque estava D. Diogo e seu dono a matarem saudades mútuas - e depois, se continuar insurrecta, sai o chinelo do armário.

O castigo, jubentud? O castigo é óbvio: não há amor, não há mimo, não há festas. Se a cena é all you need is love, sai o amor da equação.

João Lisboa said...

"O castigo, jubentud? O castigo é óbvio: não há amor, não há mimo, não há festas. Se a cena é all you need is love, sai o amor da equação."

Mas há a raçãozita no prato, não há? E tecto para dormir sob, não há? She can live with that.

menina-alice said...

Mas os morfes e o abrigo não são tudo, bebé. Ainda ontem lhe ignorei um avanço e havias de ver se ela não estranhou. Aquele bicho traiçoeiro, debaixo daquele tecto, sem os meus mimos, definhava. You can bet on that. Já comecei a educar o animal e hás-de ver se não lhe vergo os caprichos.

A fêmea alfa ali sou eu.

menina limão said...

bela prosa, alicina. valeu.