December 02, 2008

também sou uma espécie de panda




Em tempos de crise e precariedade, temos de valorizar o empregozinho, tratar o chefe como se fosse um ser humano, manter o coração solto e a capacidade de sonhar alada na mais longínqua galáxia. Concretizamos as nossas mais pérfidas fantasias (eu faço por acreditar que não sou só eu a alimentar-me delas) em séries como o Damages, em que os personagens, com a maior das limpezas e prenhes de brilhante sentido de oportunidade, estão sempre em cima dos conhecimentos mais estratégicos e passíveis de serem utilizados para lixar a vida ao próximo (o próximo, aqui, deve ler-se não no sentido mais cristão do conceito, mas, pelo contrário, do que indesejavelmente próximo) e não têm medo de os utilizar. Isto tudo para escrever que não há muitos dias em que não faça de conta que estou a ouvir o que me dizem e a cantarolar mentalmente o refrão deste genérico. Depois não faço nada...

1 comment:

alex said...

sou fã do damages. como eu gostava de vir a ser assim quando crescesse... >:]