May 26, 2009

agora sim, as melhores séries de TV

O Mourinha e o Steed resolveram meter-me num daqueles trabalhos das correntes. Eu, ainda que ande mui pouco blogueira, dificilmente resisto ao que gosto e vai daí que decidi esmagá-los com uma demonstração de gosto inquestionável e - imagino eu - flutuante. Portanto, do alto deste copito de Porto fresquinho e numa perspectiva totalmente objectiva e sem grande ordem, dito:

The Sopranos - Melhor série de todo o sempre, indestronável;

Six Feet Under - A segunda melhor série de todo o sempre, indestronável. Ah! E tinha o Nate. E o Dexter;

Twins Peaks - Parecia difícil acreditar que faziam uma coisa tão bonita e boa só para mim;

X-Files - Umas das primeiras opções religiosas. Ao contrário de muitos (fracos), resisti até à série 5;

Monty Python's Flying Circus - As mais saborosas gargalhadas de todo o sempre. Sem rival;

L.A. Law - Co-arguida num processo de responsabilidade penal por opções profissionais desajustadas;

Star Trek - Eram estes que me deviam ter ditado o destino...

Millennium - Paixão ao primeiro episódio, fabulosa escuridão e melhor teledisco (adoro dizer teledisco!) da história dos telediscos para o Horses, da Patti Smith;

House MD - Porque eu queria ser o House no meu trabalho, embora não quisesse ter o trabalho do House;

Picket Fences - Tal como no Twin Peaks, a luz que vinha da cor daquela série, prendia-me sempre;

Dallas - Pela telenovela que existe dentro de todos nós e, mais recentemente, em modo reprise, pela companhia a passar a ferro, aos Domingos à tarde;

Rome - Irresístivel o clima de conspiração permanente, aquilo sim era alternância democrática e porque era uma das épocas em que preferia ter existido;

Boston Legal - Por motivos de adição actual e porque planeio tornar-me uma lunática respeitada a muito breve trecho. E não resisto ao James Spader e à Candice Bergen. As conversas entre o James Spader e o Captain Kirk (não sei se repararam que ele ainda se senta no sofá, como se estivesse a desbaratar Klingons e devorar galáxias) são do melhor que se escreve em televisão;

Dexter - Melhor genérico e personnal favorite para a forma de resolver problemas indesejáveis: com muita película aderente.


Claro que este post me desviou de uma série qualquer, mas o que tem de ser, tem de ser.

18 comments:

Jorge Mourinha said...

Cadê o Millennium, amiga? ;-)

menina alice said...

AI!

Eu sabia que me ia esquecer de algo crucial. Obrigada, beibe. :)***

menina limão said...

e o Sete Palmos de Terra?

João Lisboa said...

E o Seinfeld?

Mr. Steed said...

e o Battlestar Galactica? e o The Wire? e o The Shield? e o Generation Kill? e os Pequenos Vagabundos?

(se eu dizer que o Seinfeld é cocó batem-me?)

João Lisboa said...

"(se eu dizer que o Seinfeld é cocó batem-me?)"

Sim.

menina alice said...

First things first: limonina, estás coberta de razão. Uma lacuna ainda maior que a do Millennium. É o que dá fazer as coisas sob pressão. O stress adultera a realidade e lixa as sinergias de um gajo. Vou acrescentar ASAP.

Steedovski:
"The Wire? e o The Shield? e o Generation Kill? e os Pequenos Vagabundos?" acho que não sei o que são ou então o alemão fez shift+delete e não me aparece nada no HD. O Bételstar Galática hesitei entre pôr e não pôr, mas depois escolhi não pôr, porque eu só via aquilo por lascívia, que é pecado.

Djóni, o Seinfeld, como o All in the Family e outras séries boas e com textos muito catitos têm o problema (ou eu tenho o problema) das palmas e das gargalhadas do público ou - pior! - gravadas. Num instante me aborreço e distraio daquilo.

dolphin.s said...

É pá, esqueci-me do Boston Legal e do Millennium.


(para que conste, aguentei-me até à 5ª temporada. mas as 2 últimas... era mesmo numa cena de religião)

menina alice said...

Somos umas moças teimosas, d. :)

Estas listas têm de ser listas abertas, portanto, acrescentazias.

Mr. Steed said...

ó deus...ameaçaram q me batiam. vou refugiar-me no sotão do René. Se perguntarem por mim estou debaixo da cama da Madame Fanny.

O Battlestar Galactica de que falo é o novo, nada daquela piroseira com cortes de cabelo estranhos que deu no século passado.

Já vos disse que a culpa é toda do Mourinha?

dolphin.s said...

piroseira é substituir o starbuck amigo do apollo por uma gaja!

pennac said...

E o "Pushing Daisies", que tem os melhores diálogos do mundo e arredores? E "My name is Earl"? Hein?

menina alice said...

Do Pushing Daisies só vi um episódio e com o Earl tenho um problema: achei piada ao princípio, depois desinteressei-me e nem sei bem porquê.

Não sabia que existe outro B. Galactica. Parece-me uma beca pecaminoso... E não é que eu fosse do lado Starbuck, mas... uma gaja?!

menina limão said...

e o Coupling! :)

aNa said...

e o Deadwood? não viu?
se não, peça lá à Méri que a gente empresta. ;)

rui g said...

"Rome" esteve quase, quase a entrar na minha lista de 10. Nas 15, entrava de certeza. O Dennis Potter é que parece andar esquecido...

Mr. Steed said...

uma coisa é certa: como sentenciou santo mourinha padroeiro da televisão - eu que sou o seu profeta já ando a dizer isso há um ano :))) só espero q n me cortem a cabeça como ao outro - a idade de ouro das séries de tv parece ter acabado. as novidades são medíocres e não conseguem substituir as falecidas.

em resumo: estamos de luto, bandeira a meia-haste, minuto de silêncio e salva de 21 tiros.

Mr. Steed said...

ah sim....uma gaja e das boas :)